MINISTÉRIO DA CIDADANIA E ARCELORMITTAL apresentam Malala – A Menina Que Queria ir Para Escola

“O DIVERSÃO EM CENA ARCELORMITTAL CONTINUA SUA PRIMEIRA TEMPORADA POR MEIO DO MINISTÉRIO DA CIDADANIA E DA LEI DE INCENTIVO FISCAL ROUANET COM “MALALA – A MENINA QUE QUERIA IR PARA ESCOLA” PREMIADO LIVRO INFANTO-JUVENIL DA JORNALISTA E ESCRITORA ADRIANA CARRANCA.”

As apresentações serão nos dias 04 e 05 de Maio, no Teatro Universitário.

Sinopse

Sob a direção de Renato Carrera, adaptação de Rafael Souza-Ribeiro e canções originais de Adriana Calcanhotto, o espetáculo chega em vitória para dá continuidade a primeira edição do Diversão Em Cena Arcelormittal.

A peça narra a viagem da jornalista brasileira ao Paquistão, dias depois do atentado dos talibãs à vida de Malala, por sua defesa do direito das meninas à educação.

A estreia nacional do espetáculo, no dia 12 de outubro de 2018, levou mais de 6.000 pessoas ao Sesc Ginástico no centro do rio de janeiro. O projeto Malala, a menina queira ir para a escola, é aprovado pelas lei Rouanet.

O enredo narra a história de Malala, baleada aos quinze anos de idade por membros do Talibã, em retaliação a sua luta pelo direito feminino à educação. Malala é a mais jovem vencedora do Nobel da Paz. Sob a direção de Renato Carrera e adaptação de Rafael Souza-Ribeiro, profissionais de grande prestígio no teatro carioca, o espetáculo tem canções originais de Adriana Calcanhotto.

Malala – A Nobel da Paz

MALALA YOUSAFZAI NASCEU NO VALE DO SWAT, NO PAQUISTÃO. CRESCEU ENTRE OS CORREDORES DA ESCOLA DE SEU PAI, ZIAUDDIN YOUSAFZAI, E ERA UMA DAS PRIMEIRAS ALUNAS DA CLASSE. AOS DEZ ANOS VIU SUA CIDADE SER CONTROLADA PELO GRUPO TALIBÃ, QUE LANÇOU UM DECRETO PROIBINDO MENINAS DE FREQUENTAREM A ESCOLA. O TERROR FEZ A POPULAÇÃO RECUAR. MALALA FOI UMA EXCEÇÃO. ENSINADA DESDE PEQUENA A DEFENDER AQUILO EM QUE ACREDITAVA, LUTOU PELO DIREITO DE CONTINUAR ESTUDANDO. SOB PSEUDÔNIMO, TORNOU-SE CORRESPONDENTE DA BBC, ATRAVÉS DE UM BLOG ONDE RELATAVA AO MUNDO O IMPACTO DIÁRIO DO TALIBÃ NO VALE DO SWAT. AOS QUINZE ANOS QUASE PERDEU A VIDA POR QUERER IR À ESCOLA. UMA TENTATIVA DO GRUPO TALIBÃ DE SILENCIAR SUA LUTA PELO DIREITO DE MENINAS À EDUCAÇÃO. MALALA SOBREVIVEU AO ATENTADO E PROMETEU QUE NÃO SERIA SILENCIADA POR TERRORISTAS. COM EXTRAORDINÁRIA CONVICÇÃO AFIRMOU “A CANETA É MAIS PODEROSA QUE A ESPADA”. AVANÇOU FIRME EM DIREÇÃO A SEU PROPÓSITO, E TRAVOU UMA LUTA GLOBAL CONTRA O ANALFABETISMO, A POBREZA E O TERRORISMO, CONVOCANDO TODOS OS GOVERNOS A ASSEGURAR A EDUCAÇÃO OBRIGATÓRIA LIVRE E A ELABORAR UM ACORDO DE PAZ COM INTUITO DE PROTEGER OS DIREITOS DE MENINAS À EDUCAÇÃO. EM 10 DE DEZEMBRO DE 2014, MALALA FOI A MAIS JOVEM VENCEDORA DO PRÊMIO NOBEL DA PAZ “PELA LUTA CONTRA A OPRESSÃO DAS CRIANÇAS E PELO DIREITO DE TODAS AS CRIANÇAS À EDUCAÇÃO”.

O Best Seller

• MALALA, A MENINA QUE QUERIA IR PARA A ESCOLA (CIA. DAS LETRINHAS) É UM DOS LIVROS

MAIS ADOTADOS EM ESCOLAS PÚBLICAS E PARTICULARES BRASILEIRAS DESDE SEU LANÇAMENTO;

• PREMIADO DUPLAMENTE PELA FUNDAÇÃO NACIONAL DO LIVRO INFANTIL E JUVENIL NAS CATEGORIAS MELHOR LIVRO INFORMATIVO E ESCRITORA REVELAÇÃO 2016;

• FINALISTA DO PRÊMIO JABUTI 2016;

• FLIP 2016;

• TRADUZIDO PARA O ALEMÃO, INGLÊS, URDU E ESPANHOL, TEM EDIÇÕES EM TODOS OS PAÍSES

DA AMÉRICA LATINA;

Adriana Carranca

Adriana Carranca é escritora e jornalista. Atualmente mora em Nova York, cobrindo histórias de migração e gênero. É colunista do jornal o globo, comentarista do programa pelo mundo da rádio CBN, além de colaborar com publicações internacionais. Escreve principalmente sobre conflitos, tolerância religiosa e direitos humanos, com olhar especial sobre a condição das mulheres. Esteve na síria e Iraque, para reportagem especial sobre a guerra e a crise dos refugiados. Cobriu extensamente a guerra no Afeganistão e Paquistão. Mergulhou no universo de países muçulmanos como Irã, Egito E Indonésia e nos territórios palestinos para reportagens especiais. Acompanhou de perto alguns dos conflitos mais sangrentos da África, como as guerras na república democrática do congo, Sudão do Sul e Uganda. Foi correspondente na ONU, em nova York. Tem três livros-reportagens publicados: “o irã sob o chador” (ed. globo), finalista do prêmio jabuti; “o Afeganistão depois do talibã” (civilização brasileira); e o infantil “Malala, a menina que queria ir para a escola ”(companhia das letrinhas). Recebeu o prêmio Esso, menção honrosa com a série de reportagem “guerras da África”; o prêmio líbero Badaró, na categoria reportagem internacional, com “Sudão Do Sul: a guerra esquecida”; novamente o prêmio líbero Badaró, grande prêmio, com a série “coletânea da guerra no Afeganistão” e sete edições do prêmio estado de jornalismo.

FICHA TÉCNICA

Adaptação: Rafael Souza-Ribeiro

 Direção: Renato Carrera

Canções Originais: Adriana Calcanhotto

Elenco: Adassa Martins, Dulce Penna, Fernanda Sal,

Hugo Germano, Ivson Rainero, José Karini, Marcelo

Valentim, Patrícia Garcia e Tatiana Quadros & o músico

Adriano Sampaio com percussão original.

Assistente de Direção: Joana Cabral

Cenário: Daniel de Jesus

Figurino: Flavio Souza

Iluminação: Alessandro Boschini

Direção Musical: Lúcio Zandonadi

Direção de Movimento e Coreografia: Sueli Guerra

Preparação Corporal: Edgy Pegoretti

Projeções e Videoinstalação: VJ Vigas

Preparação Vocal: Danielly Souza

Desenho de Som: Arthur Fereira

Ilustração: Bruna Assis Brasil

Assessoria de Imprensa: Ney Motta

Programação Visual: Daniel de Jesus

Fotos de Divulgação: Ricardo Borges

Mídias Sociais: Ana Righi

Produção Executiva: Beta Schneider

Gestão Financeira e Gerência de Projeto: Natalia Simonete

Direção de Produção: Alessandra Reis

Idealização: Tatiana Quadros

Realização: WB Produções e Liga de Marketing

SERVIÇO

Diversão em Cena ArcelorMittal

MALALA – A MENINA QUE QUERIA IR PARA ESCOLA.

Data: 04 e 05 de Maio

Horários: Sábado e domingo as 16h

Teatro Universitário- UFES

Av. Fernando Ferrari, 514, Campus Universitário, Goiabeiras, Vitória ES

VALOR: R$ 20 (inteira) e R$ 10, 00 (meia)

Interprete de libras na sessão de domingo, às 16 horas.

Gênero: Musical Infatil

Classificação: Livre

Duração: 60 minutos

Vendas: Bilheteria do Teatro ( de 15 as 20h) ou no site tudus.com.br

Inf: (27)33760933/ wbproducoes.com

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.